Sunday, 6 February 2011

Noite esparsa

Tem algo dentro de mim que se perdeu. Não está nos livros, não está nas coisas concretas nem nas abstratas. Na harmonia da canção, no amanhecer do dia, tudo está cheio de nada.
Minha mente insone tenta adormecer mas a verdade é crua e cruel, me impedindo de esquecer.

Tem algo dentro de mim que escureceu, logo no minuto em que a estrada se dividiu em duas e, sem sucesso, cavo com minhas garras um outro caminho ainda muito fechado, nebuloso
.
Tem algo dentro de mim que se fechou, antes mesmo que eu pudesse me mexer para procurar a chave, e bem sei que não procuraria, caso tivesse a oportunidade.

Tem algo dentro de mim que já nasceu morto, com o doce gosto da melancolia profunda e necessária, como se fosse uma dádiva viver nem que seja para derramar um pouco de choro morno, sem sentido nem explicação.

Já não tenho mais algo dentro de mim. Tudo está fora e vem de fora. Os meus olhos são dos outros, eles me contam como é estar em seus lugares, vivendo suas vidas tão certinhas e preenchidas com sentimentos tranquilamente identificáveis. Seus assuntos sempre girando em torno daquilo que querem, ah, seus umbigos! Parece até que meu olhar revela algum interesse sobre essa rotina enfadonha que é escutar o que os outros dizem. Por outro lado, não desejo de forma alguma o que há no lado de fora, no outro. Quero algo que nunca poderei ter, um tempo que a areia levou, e minha mente tão inquieta não me deixa em paz. Perdi algo dentro de mim que não está nem nessas linhas. Mas quem sabe encontre no meu sono. Boa noite.

2 comments:

Lidiane said...

Olá! Conheci teu blog através do Psicodelia e Reflexões, da Mitcheia. Gostei muito dos teus textos, parabéns!!
:-)

Paulo Olmedo said...

TEMSO! :S