Monday, 19 October 2009

meus navios internos, minhas naus, minhas náuseas... sempre que em contato com o porto seguro, não conseguem conter sua fúria, toda a sua carga interior, talvez seja o cheiro que vem das profundezas do mar. sabe-se não.

o caso é que sempre acabam soltando seus nós e voltam às profundezas, sempre no intuito de afogar a poeta no sentido puro da palavra afogar. mais do que sufocar, sim, tirar todo o ar e passar dessa pro lado branco da força.

2 comments:

Everton Merlin said...

Muito bom moça, e espero que retornes definitivamente ao blog...
Até mais

Paulo Olmedo said...

Tá bonzinho :P

E tu nem sabe a diferença entre Star Wars e Star Trek e escreves "lado branco da força"?