Tuesday, 20 October 2009

E aos poucos, retorno a mim. Mesmo que isso signifique cada vez mais sair, desprender-me ter vontade de não estar. É nocivo e arranca junto com as esperanças, arranca a minha pele, marca, fere, deixa ali, aberto.

Estar em mim, é estar totalmente fora. Fora da vontade de ser.

2 comments:

Ian Lehmann said...

questiono por onde andaria a doçura de outrora...

Paulo Olmedo said...

esse tá melhor (não muito :P). faltou um ponto e talz, mas já mostra evolução :D