Monday, 11 May 2009

a tua ausência presente

poetas minha ausência
como se desconhecesses o peso que me causas
da hora que acordo até o momento de dormir
no meio da explosão ou de um naufrágio
te sentes sempre derrotado
de coração desesperado
nada tenho além das tuas letras que invadem minha íris
minha mente ainda repousa em devaneio constante
o teu toque
o teu olhar
o teu sorriso tímido em um olá
tudo isso permanece
mesmo que a esperança que já era pouca
hoje tenha morrido, virado pó
mas de certa forma me resgatas
e sinto-me pouco menos só.
ah, que dó.

2 comments:

Mr. Rickes said...

É minha linda, sei exatamente como é. Mas como otimista q sou, apenas o sorriso e a voz chamando meu nome já faz meu coração sorrir que nem um menino.

0/

Silvana Bronze said...

ah que dó!
Eu que tenho dó...dessa moça tão bonita lamentando um "estar só".
Te adoro Suelinha...teus escritos muito mais!"!