Monday, 6 April 2009

Enquanto isso, naquela estradinha que a gente caminhou...

Ah...quisera eu ter vivido um dia, só para ser o cadáver da tua alma que se arrasta pelo breu...no frio. Apelo ao teu coração singelo, por favor, vira uma carta ao menos uma única vez. Meu verso na tua mão tão belo...pareceu ser você quem fez. Teu corpo tão fraco e tão pesado nas tuas mãos, teus ossos carregas. Ossinhos frágeis, porcelana, meu devaneio sou tua seguidora fiel na estrada escura. E meus dias afrontam meu coração por quanto tempo  esperar até tocar tua mão? Meus beijos ousados fizeram teu mundo ruir até quando contemplarás o meu cair? Tuas minúcias me são caras, ao passo que careço cada vez mais do teu amor, teu sussurro teu torpor. Essa tua insanidade tão lúcida que me põe tão insana, horizonte fragmentado na tua cama...o corpo arde(nte) só por tua pele clama. 

2 comments:

Mel said...

Quando vais escrever um livro?
Beijosss

Silvana Bronze said...

Que lino Suelen. Fico feliz que minha dica tenha te inspirao tanto. Darei mais dicas. Bjs.