Monday, 6 April 2009

Carta na (minha) manga

Eu pensei em te soltar
Deixar a porta das minhas próprias grades abertas
Para que pudesses cair
Enfim, ruir, como sempre estás a versar

Só que dentro de mim algo arde
Uma vontade que não sei, advinda
Bate uma saudade do beijo que não te dei
Esse beijo talvez jamais eu sinta

E respirar teu respirar
É um sonho escapando do meu alcance
Só me resta colocar o beijo no imaginar
Absorta na tua pele eu fico em transe

Os escombros da minha vida 
Falida, iludida, caída
Tento retirar do meu entorno
Olho triste a tua partida
Enquanto o vento encobre meu choro.

No comments: