Friday, 20 March 2009

O sol nubla ao alto
Meu coração em cacos se quebrou
Arrasto meus joelhos no asfalto
Minha sina, minha vida, definhou

E dentro dessa sala tão cheia
Tantas vozes, tão vazias
Teu nome é praga que me permeia
A manhã vai ficando fria

E teus olhos já não mais brilham
Através da tua sombria lente
Meus lábios te procuram, teus olhos desviam
Percebo que tua escrita mente

E jogas meu corpo em um longe terreno
Para que eu possa te esquecer ou me deteriorar
Mas sigo tentando fazer meu coração sereno
Pouco a pouco, esquecendo o meu (à ti) gostar

A porta de pedra se fecha à tua face
É apenas a minha recuperação
Das cinzas, a luz insistente renasce
E tu, mantendo na solidão

No comments: