Sunday, 1 March 2009

Misteriosa midnight

E como quem procura por um pouco de redenção fora de garrafas de vinho, bato incansavelmente à tua porta na esperança de que tu não me deixes na rua, definhando de tanto tentar.

1 comment:

Mel said...

Adoro poemas assim...E são raras as pessoas que escrevem bem eles.