Friday, 13 March 2009

em teu corpo

Eu não duvido que mesmo com esses teus olhos misteriosos, lá no âmago do teu ser tu sabes, sabes de tudo melhor do que eu sei.

Quando meu coração acelera porque adentrastes o recinto, tu mesmo sabes que isso aconteceu e nem precisas dar muita atenção para o rubor em meu rosto, simplesmente sabes, simplesmente estabelecemos essa conexão e nem percebemos de onde veio. Apenas temos.

Quando te vejo pensando, realizando, colocando no papel tudo aquilo que sai diretamente do teu imaginário, tu sabes que meu corpo arrepia e minha respiração falta porque tens a plena noção de que observo-te atentamente a fim de pegar cada detalhe do teu corpo. Seja um olhar, o movimento das tuas mãos. Tudo é de minha ciência. Tudo sei e tudo posso quando te levo para o plano das ideias.

E aí meu caro, e aí meu caro e infinito objeto de imaginação nada pode me parar, nada pode dizer não. Apenas somos! Não é incrível? Tua mão desliza no meu corpo como a água cristalina desliza nos nossos corpos, tudo ao mesmo tempo. E a tua boca me procura, me encontra, me desbrava. E entre um fechar de olhos e um ofegar de respiração te encontro... te encontro (por enquanto) na imaginação.

1 comment:

Mel said...

Dá onde tu tira tanta inspiração?
São todos lindos e sinceros.
Emocionam e arrepiam a pele!