Friday, 13 February 2009

Repara naquela estrela ali. É, essa que se pudesse cair, com certeza o faria bem sobre nossas cabeças. Bem... ela está muito, muito longe daqui. Só temos uma imagem pequena, um fragmento, que é apenas parte de suas proporções gigantescas. Eu nunca poderia alcançar uma estrela dessas, querido.  Por mais que tentasse, por mais que me esforçasse. Não era pra mim. Quem sabe o teu grande problema seja esse... ser brilhante demais. Estás ofuscado pelo teu próprio brilho, pensas que tens respostas, mas inventa-as. Pensas que tens sonhos mas são sonhos de outros. Pensas que tens um caminho mas estás em um beco sem saída. Se eu te perguntasse agora para onde estás correndo, saberias me responder?

Provavelmente não. Eu posso ver nesses teus olhos que um dia tanto me encantaram, a fraqueza e a vulnerabilidade de um ser que o tempo todo para mim significava algo enorme e inalcançável. 

Eu corri. Eu corri, eu tinha um caminho. Fugi de ti, quem sabe porque era melhor assim e melhor está sendo. Abri as janelas e vi que ainda não me encontrara totalmente. E também nada mais  importa. Se metades existissem, mas elas não. Acredito que essa será a nossa última conversa que acontece aqui em mim. Depois apague as luzes da minha consciência, que eu quero é viajar.

1 comment:

César said...

Freak in the sky like(s) estrela(s) cadente(s).