Thursday, 5 February 2009

Faraway, so... far.

O trecho a seguir foi escrito no dia 2 de fevereiro.

Não fora assim tão difícil. Tá certo que na hora aconteceram muitas coisas, todas elas mentais obviamente, até porque não cabem muitas palavras saindo pela boca no momento em que ele parou e olhou atentamente para mim como quem dizia "sim, eu vou topar essa parada"!!!

Então... vem comigo, corre comigo, sonha comigo, dorme comigo, acorda comigo, ahhh eu sou um grande suspiro, um grande carinho e um forte abraço, assim me formei toda em olhos piscantes e brilhantes!

E então surgem tantas coisas na minha imaginação, sim, ela é fértil por demais! Dela brotam situações e sensações que o teu corpo nem pode imaginar ou nem queria, pelo menos não até ontem.

Como quem pode brincar de ser Deus, eu finjo que posso tudo e então estamos sob a luz da lua, que na realidade não tem luz, o que acontece é que a luz do Sol bate na Lua e a Lua nos envia o sinal. E sim, pois bem, continuemos a divagação. Somos só nos dois e dançamos de rostinho colado, os pés descalços na areia do Cassino, o vento leva nossos cabelos e sorrimos quando alguns fios misturam-se aos nossos beijos. Na minha cabeça eu canto Stay, (faraway so close) porque é uma música que pode nos embalar e é uma música que suscita tantos sentidos aqui dentro de mim, sei lá, soa bem assim... sensual, transcende sabe? Dá vontade de te despir com os olhos e te vestir de mim.

E vamos girando, girando, girando e quando percebemos já não estamos mais aqui. Fomos pro espaço limitado onde permitimos apenas a entrada de nossos cinco sentidos.

1 comment:

Leonardo said...

"Dá vontade de te despir com os olhos e te vestir de mim."

Que texto lindo esse. Parabéns.