Wednesday, 12 November 2008

Passar como o vento

É
A dor surge e ressurge
Ela nasce morre
Nasce velha
Eu choro
E fica nova

É amiga minha
Saudade se tornou
Colou aqui do meu lado
Foi buscar o beijo mais afastado
E na minha mente marcou

É amiga eu sei
Nada pode ser como a gente pensou
Eu quis voar, sentir, chorar
Me atirar do alto do prédio
Nada valeu a pena?

Não há como olhar pra trás
Se pelos olhos dele é
Que víamos o nosso futuro
Estrela que brilha apagada
Grito silencioso no escuro

E não tenhamos medo
De desprender-nos da pele
Do rosto
Do cheiro
Do beijo e jeito
Uma hora eles serão como o vento
Perceptíveis, mas invisíveis

No comments: