Wednesday, 2 December 2009

meu amar

ainda que procure a palavra perfeita
que tropece mais do que em pedras, em vírgulas
ainda que vire a noite com os olhos abertos
à procura de uma forma direta
de dizer de que é composto o meu amar

o meu amar não é feito de rosas
por mais que possam minhas palavras
inundar a atmosfera nua
com um perfume singular

o meu amar é feito de olhar
olhar para um mar exclusivo
afogar-me no piscar evasivo
ressuscitar-me com tal ar

o meu amar é consumo
consumo do meu ser
pensar, querer, amar
em uma ausência infinita
quando o amor não está.

3 comments:

Everton Merlin said...

Voltando as poesias finalmente hein!!hehe!!

Espero que retorne com tudo nas férias!!

Té mais!!

Ian Lehmann said...

nham...

Filipe D. said...

Nossa, muito similar ao meu próprio pensamento quanto à profundidade do ato de amar, e mais ainda a abrangencia que parece envolver os que estão dele distantes!

Gostei!!

Virei aqui mais vezes!

Teh mais ver!