Friday, 6 March 2009

Me sinto perdida, ferida e isolada.

Incrustada de pequenos cristais de vazio

Com brilhantes de nada

Sinto-me como vento arrancado de perto da praia

Pele arrancada da carne

Dor e sofrimento se espalha

Não encontro consolo em nenhum canto

Nada que de certo alguma coisa nessa vida valha

Porém não saio à procura

Prefiro a tortura

A tortura doce, suave e lenta

De ter meus sonhos todos destruídos

Pela tua voz que silenciosa alenta.

1 comment:

Mr. Rickes said...

Não há nada mais cruel que o silêncio de uma voz que queremos ouvir. Mesmo nos momentos mais duros.