Monday, 23 March 2009

Eu tenho outra dentro de mim.
Ela sorri, ao sinal do teu silêncio
Ela chora, ao sinal da tua alegria
Ela escurece, ao sinal do teu devaneio
Ela perece, ao sinal de algo ruim

Na calada da noite fria
Noite que fala coisas em teu ouvido
Eu tenho a mim dentro de mim
Chorando o teu silêncio
Sorrindo a tua alegria
Brilhando com teu devaneio
Vivendo para te encontrar no outro dia

E talvez tenha outras
Se procurar em minhas reentrâncias
Se eu separar tecidos, veias e músculos
Talvez encontre mais faces
Mais anseios
Mais medos
Mais mortes sentimentais
Enfim, eu sou tantas
E tão pouco.

1 comment:

Mr. Rickes said...

Essa é a grande mágica. Sermos tantos em apenas um. Só discordo de tu ser pouco. Tu é muito:
Muito linda,
Muito inteligente,
Muito simpatica,
Muito ... Mulher!

Pouco?
Só se for pouco de algo ruim.

0/