Sunday, 1 February 2009

...se eu pego cada palavra e domino, transformo, transfiguro, toco e sinto isso não significa nada além da devoção que tenho a tudo o que me fazes escrever e sentir e existem momentos os quais a confusão do meu pensamento se junta com a confusão do quem sou eu e quando me pergunto sobre isso eu chego à conclusão de que eu sou essas linhas...linhas essas que são tuas. Será que sou de ti? 

2 comments:

Mr. Rickes said...

Quando apaixonados, poetas são escultores frasais. Esculpimos emoções e sentimentos. Estravasarmos a liberdade de sentimentos através de algo preso em um papel. Acredito que se escrevemos para uma pessoa e essas palavras são para essa pessoa, subliminarmente estamos nós.

Admiro tua coragem! Mesmo a pessoa passando e parando na minha esquina, regularmente, sinto que há uma muralha (quase da china) entre nós.

Vê se vai na terça e leva uns poemas teus. Pensei em participarmos do concurso de poesias da Feira do Livro.

0/

Freak said...

Eu jamais deixaria uma pessoa parada na "minha esquina" sem que ela tivesse plena consciência dos meus sentimentos. Posso demorar a me abrir, mas acabo falando. Afinal, o que sinto por determinada pessoa é "problema" meu e dela também, de certa forma.